pt - en
 
artshare
 
conhecimento
 
 
contactos
 
 
Vooruit Time Machine
eXTernalYZeR
skilled surprise
Morfometose
Flocking
bodydraw no Tedx aveiro
Voci Spezzati
Flocking (Andanças)
Johnwaynes
Skilled Art Project
Viagem
Matrixz
BebÉ Plimplim
bichofonia
DanÇas Ocultas Tarab
BodyDraw
Cadaremi
Sound=Space update
Cooperation game
Bodies of words
Studie III
Sonoridades liquidas
Tunnel
Zoo lÓgico
[B]
[A]
Adgen
Água
Flauta quase mÁgica
B2C redux
Desenhos de lux
Cybersong
Tribunal da "ralaÇÃo"
DMBO3
Bach 2cage
 
 

Para ver este conteúdo da ARTSHARE, necessita fazer o download da versão mais recente do Flash Player.

Get Adobe Flash player

 

23 e 24 de Novembro 2011, estúdio audiovisual DeCA, UA, Portugal
por Paulo Maria Rodrigues em colaboração com Rodrigo Carvalho e Maria do Céu Santos

Opening Reading Frames é um metaprojeto que se destina a desenvolver formas de criação/improvisação coletiva em espaços interativos multiutilizadores. Parte do conhecimento acumulado em projetos como Walking on Earth ou CaDaReMi mas pretende expandir as fronteiras atuais e criar novos desafios que permitam materializar a ideia de que os espaços interativos podem ser agentes de relação entre indivíduos e contribuir para o estabelecimento da comunicação interpessoal com a finalidade de produzir experiências artísticas multisensoriais. A designação Open Reading Frames, além do significado imediato, é também uma clara alusão a um conceito da biologia molecular e neste contexto significa a capacidade de produzir diferentes outputs consoante a forma como os agentes interagem sobre um código ou uma topologia. As diferentes concretizações de ORF poderão ser tão díspares quanto a visualização/sonificação de informação armazenada "online" no banco de dados do genoma humano (Walking on the Human Genome), a construção de histórias ou narrativas poéticas (Story Tailor), a exploração musical de informação audio (SurfIN), a construção de elementos vocais híbridos entre música e poesia sonora (Sonema) ou a construção de sequenciadores multipistas/users. A ideia comum destas diferentes possibilidades é a de que a construção do output visual e/ou sonoro depende em absoluto das relações que os agentes (os utilizadores) estabelecem entre si no espaço, ou seja, o produto artístico emerge enquanto fruto da interação dos utilizadores entre si.



 





    line
  novidades
 
 
 

  a artshare é uma estrutura financiada por: parceiros: outras páginas artshare
 
  • idat
  • nano